Um dia em...Leiria






Eu não sei o que são férias à já alguns anos. Com férias, quero eu dizer, estar uma semana, pelo menos, de papo para o ar, passear, visitar sítios giros, ir à piscina, praia e por aí fora. Tenho tido as minhas férias em alturas chatas que metem dó, ou a Leonor está na escola e não pode faltar, ou está tempo de chuva, em que a única coisa que apetece é pegar no avião e ir ao primeiro destino que aparecer, mais seco e quentinho. Mas bolas, a carteira anda curta!


Mas...o ano passado revoltei-me. E tirei dois fins-de-semana (uuuuaaaaauuuuu), para ir passear. Um desses fim de semana fomos a Leiria.
O objectivo era ir a Peniche, estão a ver a coisa, outubro, particularmente e anormalmente quente, praia e peixe fresco, além de ter locais lindos, mas, tinha de haver um mas, o ano passado os incêndios foram uma coisa do outro mundo, nem sabíamos onde ir, era quase cada distrito que apontasse no mapa, era um distrito a arder. E vôces vão dizer, mas lá para os lados de Leiria também houve incêndios. Pois houve, tanto que houve, que para perceberem a nossa sorte, no fim de semana seguinte, à nossa viagem, umas das estradas que utilizámos para regressar a casa, foi a que depois apareceu no telejornal a arder.
Esperemos que este ano as coisas sejam diferentes.

Vista da destruição dos fogos num miradouro junto às Fragas

Porquê Leiria? Bem, não houve nenhuma motivação em especial, talvez porque eu queria e simplesmente teimava em ver o Castelo de Leiria. Portanto fomos sábado de manhã e regressamos no domingo depois do almoço para Lisboa.
Escolhemos um hotel através do site Booking, reservamos e pronto. Foi só aparecer.

Hotel escolhido: Lisotel Hotel&Spa de 4* a cerca de 7 km de Leiria. Como o nome indica tem spa, piscina interior, ginásio.
O melhor do hotel: Por dentro é bonito, bem decorado e limpo. O pequeno-almoço é em buffet, cheio de coisas boas, e com variedade. A piscina interior, é muito agradável. E o serviço do hotel simpático e prestável.
O pior do hotel: Digamos que estavam a fazer obras, resumindo barulho. E quando pagamos 110€ por uma suite em outubro, esperamos tranquilidade. Falta uma piscina exterior, têm espaço para a fazer e ganhavam e muito com isso. E as normas relativamente ao spa, paga-se 10€ extra por pessoa, por 3 horas, se a minha memória de Dori não está em erro e tem de ser dentro de um horário imposto por eles. Tivemos de fazer uma certa ginástica com as horas, só usufruímos do spa por 2 horas, porque depois tínhamos de tomar banho, arrumar as tralhas e fazer o check-out.

Restaurantes na zona: Sinceramente não posso apontar um único que me tenha realmente agradado.
Aliás tive um problema com o restaurante onde fomos jantar. Mata bicho Real Taverna, localiza-se numa praça movimentada do centro de Leiria. O restaurante em si tem muito bom aspecto, os preços são um pouco puxados. Pedimos um dos pratos mais baratos da casa, bitoque, que pedi o ponto da carne médio. Veio quase cru, mandei para trás, e veio com um sabor a bife velho. Sabem quando fritam bifes a mais, depois comem no dia seguinte as sobras. Foi tipo isso. Como estava desgostosa com o meu jantar, quis vingar-me na sobremesa. Mas foi a sobremesa a vingar-se de mim. Pedi petit gateau com gelado, que por sinal estava muito bom, mas, lá vem o mas, na última colherada senti uma dor horrível na gengiva. Acabei por retirar entre o dente e a gengiva um bocado de palha de aço. Chamei o empregado de mesa, pela segunda vez. Sinceramente a minha vontade de pagar aquela conta, é a mesma vontade de ter diarreia durante uma semana. Fiquei sinceramente zangada, não deram um único pedido de desculpa como deve de ser.

Para desanuviar do maldito jantar, fomos beber um copo no Nekob Maroc Café, um bar simpático e giro, acolhedor, estilo árabe, onde aproveitei para me deliciar a fumar shisha. Só tive pena de não ter apanhado uma performance de dança do ventre. Ando deserta, para descobrir um bom bar de shisha aqui em Lisboa.


Visto do Castelo de Leiria

Locais na zona a visitar:


Nas Fragas de São Simão

Digamos que em Leiria em si não tem muito para ver, por isso um fim de semana, chega perfeitamente. A cidade é pequena e simpática. Podem visitar o Castelo e aproveitar para ver a vista.

Uma das coisas que faço quando estou em algum lado que não conheço é perguntar aos locais o que vale a pena visitar e onde podemos comer bem e barato, seguimos o conselho de um senhor para o almoço de sábado, mas infelizmente não me recordo do no
me do restaurante. E realmente a refeição ficou em conta, mas também não era nada de outro mundo. A visita a Leiria gastronomicamente foi um desastre.


Fomos até às Fragas de São Simão em Figueiró dos Vinhos, uma verdadeira lufada de ar fresco, no meio do deserto. A não esquecer que tudo à volta tinha ardido, ver pequenos pontos verdes, dava vontade de bater palminhas de alegria.




Santuário do Senhor Jesus dos Milagres, este local descobrimos por mero acaso, nunca tinha ouvido falar. E fiquei completamente surpreendida ver um santuário desta magnitude dentro de uma pequena localidade. Quis voltar lá durante o dia, para a ver por dentro, mas infelizmente não sobrou muito mais tempo.






Depois de fazer este este post apercebi-me que não tínhamos levado máquina fotográfica, foram fotos que fomos tirando com o telemóvel. Bem, afinal de contas as melhores memorias são aquelas que estão na nossa cabeça.